Também sou Charlie…

Os anos que já levo disto da escrita, onde se inclui a coordenação de um suplemento satírico e de crítica social, de relativo sucesso há meia-dúzia de anos, já não deveria conduzir-me à surpresa quanto a determinadas acções ou actos e comentários.

Contudo, quando menos é expectável, lá surgem as inevitáveis barbaridades e ataques à liberdade de expressão e à própria liberdade em si. Em Portugal temos atrozes exemplos disso, mas ocorridos no tempo da outra senhora e quando não existia, pelo menos para nós os lusitanos, a famosa aldeia global, como o inconfundível José Vilhena ou músicos e poetas de alto calibre que tentaram calar pela força. Mas vivíamos outros tempos, orgulhosamente sós.

Os limites, esses, alargaram-se com a Democracia e com a generalização das democracias. Em Portugal, já no tempo dito democrático, e relativamente a questões religiosas propriamente ditas, como as que envolveram tragicamente os profissionais do «Charlie Hebdo», lembro-me, assim de repente, de um cartoon em que o Papa João Paulo II surge com um preservativo no nariz, ele que condenava a utilização do mesmo, ou de um determinado escritor que resolveu publicar uma obra sobre a história e (de) vida de Jesus Cristo e acabou por ter de se auto-exilar, tal não foi o enxovalho a que o sujeitaram publicamente. Tanto num caso como noutro, a capacidade crítica e qualidade artística é notória e reconhecida internacionalmente, porém, a minha preocupação reside nesses limites que nos querem impor.

Como cidadão moderno, ou pós-moderno se quiserem, tenho por aceite e adquirido que tanto a liberdade de expressão como a de opinião fazem parte do meu quotidiano tal como a estupidez e o marketing religioso de má índole fazem parte dos quotidianos alheios. Sociologicamente, está comprovado que a religião é uma arma de arremesso de cariz comportamental, isto é, pode ser utilizada com fins malévolos, usualmente procurando atingir um objectivo social e político de média ou grande dimensão.

Neste infeliz caso de Paris toda a racionalidade caiu por terra e todos os limites, de acção e reacção, foram ultrapassados. De agora em diante, tudo o que suceda a este nível, de parte a parte, será visto pelo senso comum como uma guilhotina social e política. O único aspecto positivo que vislumbro no meio deste pântano de atrocidades será o facto de os cartoonistas, finalmente, acederem ao patamar de realmente importantes como fazedores e construtores da opinião pública.

Todavia, na minha, por vezes e/ou constante, reles opinião, reside uma dúvida preocupante: o tal mito urbano de que a minha liberdade acaba onde começa a do próximo continuará a ter a mesma validade depois do dia 07 de Janeiro de 2015?…

João Resende

O João começou a escrever estas estranhas coisas na altura da escola primária, só que nos caídos em desuso cadernos de duas linhas, tal não era a beleza da sua canhota caligrafia. Ainda pensa em adquirir a sua ilha no Pacífico, para tal desiderato pensa ganhar, um dia destes, o Euromilhões ou assaltar quem o tenha feito ou então tornar-se empresário de futebolistas em fase de formação e fazer meia dúzia de milhões e reformar-se. Hobbies: Cerveja, Home Cinema, Sporting e, claro, as suas 3 princesas que lhe orientam o Norte, o Sul e tudo o resto...

Ainda sem comentários

Responder

O teu e-mail não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Bitnami